Projeto Ockham

Nosso objetivo

Você acredita que sua personalidade é influenciada pela posição que certos corpos celestes ocupavam no céu no momento de seu nascimento? Acredita que alienígenas estão entre nós e tentam se comunicar conosco desenhando círculos nas plantações inglesas? Acredita numa forma de medicina que cura utilizando remédios constituídos de água e açúcar? Por falar em cura, você acredita em cura através de cristais? Pirâmides? Imposição das mãos? Cromoterapia?

Pois nós até gostaríamos de acreditar. Afinal de contas, seria ainda mais interessante viver em um mundo onde pudéssemos mover um objeto com o poder da mente, curar um parente apenas pelo pensamento positivo, prever o futuro, fazer contato freqüente com extraterrestres. Mas infelizmente não podemos. Nossa formação científica e personalidade questionadora nos impede de acreditar em um fenômeno não comprovado apenas porque ele é emocionalmente agradável. Por isso somos chamados de céticos.

Ser um cético não significa duvidar de tudo, como a origem grega da palavra pode levar a crer. Ser um cético não é ser um chato sem imaginação que se recusa a sonhar com civilizações extraterrestres. Nós, os céticos, simplesmente exigimos uma quantidade maior de evidências do que as pessoas um pouco mais ansiosas em crer. E exigimos que estas evidências passem pelo crivo da melhor ferramenta desenvolvida até hoje para diferenciar o fato da ilusão: o método científico. Mostre-nos um fenômeno paranormal que se repita em um experimento controlado; mostre-nos um médium que exiba alguma mediunidade que um mágico profissional não consiga reproduzir; mostre-nos afirmações que possam ser testadas, mostre-nos dados, quantidades e medidas. Não é pedir tanto considerando a responsabilidade que a crença no paranormal traz.

O objetivo deste site NÃO é atacar pura e simplemente qualquer crença não-científica, mas prestar um humilde serviço à humanidade ajudando a desmascarar mitos e lendas urbanas e traçando a linha divisora entre magia e ciência; uma linha que nos parece mais tênue do que deveria em nossos dias. Nossa motivação para isso não é somente estragar o prazer de quem procura aconselhamento nos horóscopos diários, ou que procura cura em um fenômeno místico paranormal, mas vem do fato de acreditarmos que muitas destas crenças são seriamente nocivas e perigosas, ou no mínimo responsáveis por embotar a inteligência e engrossar a ignorância.

Qual o nosso tema?

Pseudociências, ou seja, assuntos e temas que buscam o credenciamento da ciência, mas que não possuem fundamento cientifico, às vezes nem sequer fundamento lógico; mitos e lendas urbanas, coisas em que as pessoas acreditam só por ter ouvido repetidas vezes mas que não são fatos; crenças, ou crendices, tais como certas medicinas alternativas, que além de perigosas à saúde, exploram a ignorância, a fé e a carteira do crédulo. Resumindo, inverdades de todo o tipo que possam ser desmascaradas pela ciência.

Não discutimos nem julgamos assuntos religiosos desde que os assuntos religiosos permaneçam assim, religiosos somente. Acreditamos que fé e razão são campos sem interseção e por isso não pensamos que uma espiritualidade ou religiosidade consciente necessariamente atrapalhe o julgamento de questões científicas. É preciso ser justo e lembrar que na maioria dos temas que tratamos, como telecinésia, alienígenas, poder das pirâmides, curandeirismo e outros, a Igreja é tão cética quanto os cientistas.

Nossas fontes inspiradoras

Carl Sagan Em princípio quase todo cético lhe dirá que é influenciado por Carl Sagan. Nós não somos exceção. Conhecido do grande público pela série de televisão "Cosmos", Sagan sempre procurou trazer a ciência ao alcance das pessoas comuns. Pelos céticos é mais conhecido pelo livro "O Mundo assombrado por Demônios" em que lança um olhar cientificamente crítico sobre várias pseudociências e misticismos. Seu ceticismo carregado de bom senso e elegância é uma referência para nós.

Bertrand Russell Bertrand Russell, matemático, filósofo e ganhador do prêmio Nobel de literatura, é uma influência decisiva em muitos aspectos mas especialmente por pregar a importância de se libertar do pensamento dogmático e pela simplicidade e polidez com que transmitia suas idéias.

Evidentemente Guilherme de Ockham, o cético frade franciscano que primeiro enfatizou a importância da experimentação na obtenção do conhecimento e pregou a separação entre teologia e filosofia, é uma influência tão decisiva que empresta seu nome a este projeto. Sua biografia pode ser lida em nosso site.

Existem numerosos outros sites com a mesma proposta deste, mas quase todos infelizmente em inglês. Destes, o que mais nos norteou e uma referência obrigatória para todos os que se interessem por nosso projeto, é o site do CSICOP (Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal). Há também alguns sites céticos em português, mas a grande maioria se limita apenas a traduzir textos de revistas e sites em inglês. Os sites nacionais em geral, quando apresentam material que não seja tradução pecam exatamente como os pseudocientistas que criticam: pela falta de referências, bom senso e solidez científica na argumentação. Neste aspecto, estes sites foram igualmente inspiradores.

Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem