Projeto Ockham

N° 15 • 06 Nov 05

Cada um na sua... mas com alguma coisa em comum
Com as freqüentes referências aos criacionistas e seus ataques recentes contra a teoria da evolução, pode parecer que eles constituem um grupo uniforme, com uma motivação religiosa em comum que os leva a não aceitar que a espécie humana, assim como o resto da vida na Terra, seja o resultado de mecanismos naturais que se manifestaram sem nenhuma intervenção divina.

Mas existem (pelo menos) dois tipos de criacionistas. Os que estão em destaque no momento, por sua tentativa de forçar o ensino de suas idéias nas aulas de ciência das escolas públicas americanas (e brasileiras), são os proponentes do design inteligente, ou DI. Como a separação entre religião e estado não permite (pelo menos na teoria) que dogmas religiosos sejam ensinados como parte do currículo obrigatório em uma escola pública (e a Suprema Corte americana já decretou, por causa disso, que o criacionismo não pode ser ensinado nas aulas de ciência por lá), os proponentes do DI aplicaram-lhe um disfarce. Disfarçaram o criacionismo em uma linguagem que parece ciência, passaram a usar o nome "design inteligente" e fingem que, por não identificarem o nome do "designer", não estão falando de uma divindade. Pois para quem ainda t em alguma dúvida de que o DI é um movimento religioso, basta ler o documento conhecido como "The Wedge Strategy", escrito pelo Discovery Institute (o principal centro de divulgação do DI nos EUA). Lá está bem claro que um dos objetivos principais do movimento é "substituir explicações materialistas com a compreensão teísta de que a natureza e os seres humanos são criados por Deus".

O outro grupo principal de criacionistas são os chamados "criacionistas da Terra jovem". Estes são mais francos e assumem por completo sua motivação religiosa. Eles acreditam que a Bíblia deve ser interpretada literalmente, inclusive, por exemplo, no que diz respeito à idade da Terra (daí o nome pelo qual são conhecidos). Obviamente, portanto, a teoria da evolução não é popular entre eles... Mas parece que o DI também não. No mês de julho, eles se reuniram em sua própria conferência, a 2005 Creation Mega Conference, onde uma das palestras principais foi entitulada "The Intelligent Design Movement; How Intelligent is it? [O Movimento do Design Inteligente, Quão Inteligente é Ele?]". Nesta palestra, a Dra. Georgia Purdom argumenta que o DI gera problemas sérios para os cristãos por não se posicionar sobre a natureza e as ações específicas do "designer", não explica os casos de design mal feito (do qual existem inúmeros exemplos na natureza) e responsabiliza o criador por todo os males naturais que existem na Terra, que seriam na verdade oriundos do pecado original.

Bem, não dá para dizer que os biólogos concordariam integralmente com a Dra. Purdom, mas os inúmeros casos de estruturas e sistemas, encontrados nas diversas formas de vida (inclusive no homem), que poderiam ter sido projetados de forma muito mais eficiente e funcionar muito melhor são também apontados pelos biólogos como ilustração de que, se realmente eles foram projetados por um "designer", este não era lá muito inteligente.

eSkeptic

O julgamento final
Quer dizer, o final do julgamento. A batalha judicial entre o criacionismo e a evolução (ou, para ser mais preciso, o caso Kitzmiller v. Dover) está chegando ao fim. As conclusões dos dois lados estavam programadas para esta última sexta e agora só resta esperar a decisão do juiz. Mas já existem rumores de que, independentemente da decisão, o lado perdedor vai recorrer, então a história não deve terminar por aqui.

Curiosidades dos últimos dias incluem o testemunho de Sheila Harkins, presidente do conselho escolar de Dover, que instituiu o ensino do criacionismo em suas escolas no primeiro capítulo desta novela. Quando perguntada sobre seu conhecimento sobre a teoria do design inteligente, Harkins explicou que o pouco que ela sabia sobre o assunto vinha de buscas na internet... "Eu googlei ", disse ela, arrancando risadas da platéia e um sorriso do juiz.

A testemunha final pró-criacionismo foi o Dr. Scott Minnich, professor de microbiologia da Universidade de Idaho. Como ocorreu anteriormente com o Prof. Behe, o Dr. Minnich não acrescentou muito em termos de evidências, com frases como "Deduzimos o design quando vemos partes que parecem ter sido montadas com um propósito" e "Esses são sistemas altamente sofisticados e, quando você vê uma máquina em qualquer outro contexto, você pressupõe que existe um engenheiro". Não muito diferente do que o Reverendo William Pailey afirmou em seu livro Natural Theology, há pouco mais de duzentos anos, que alguns consideram uma defesa mais competente do criacionismo do que as que estão aparecendo por aí.

Aliás, o jornal "The Slate" fez uma engraçada comparação entre o testemunho do Prof. Behe e um quadro clássico do grupo Monty Python, onde um entrevistado apresenta sua teoria revolucionária sobre o brontossauro. Não deixe de ler. Não é a toa que os cientistas têm dito que com inimigos assim não é preciso amigos...

ACLU

Os hormônios da beleza
Uma dica para aquelas que se preocupam com os mínimos detalhes da aparência: mulheres ficam mais atraentes quando os seus níveis de hormônios estão mais altos. E quem diz não são só os homens.

Pesquisadores da Universidade de St. Andrews, na Inglaterra, fotografaram 59 mulheres entre 18 e 25 anos, a cada semana durante seis semanas. Em cada sessão fotográfica elas deixavam uma amostra de urina e davam informaçõs sobre o andamento de seu ciclo mentrual. Em seguida as fotos foram classificadas por um grupo de 14 homens e 15 mulheres de acordo com critérios como beleza, aparência saudável e feminilidade. Além das fotografias, foram também avaliadas dois composites (foto) consistindo em um amálgama das fotos das 10 mulheres com o menor nível de hormônios (foto esquerda) e das 10 com os maiores níveis (foto direita). O resultado, como você provavelmente antecipou pela foto acima, foi que houve uma forte correlação entre o nível de estrogênio das mulheres e o quanto elas foram julgadas atraentes.

A quantidade de estrogênio produzida por uma pessoa durante a adolescência é determinada pela hereditariedade e tem grandes efeitos no crescimento dos ossos e dos tecidos, assim como na aparência da pele. Mas isso siginifca que as adolescentes devem começar a tomar doses de hormônio para se transformar em mulheres mais belas? "Claro que não!" diz Mirian Law Smith, líder da pesquisa. "Ninguém sabe que outros efeitos os hormônios causarão".

Assim, mesmo que você ainda esteja pensando em dar uma passadinha no esteticista para reservar sua dose de estrogênio, dois avisos: hormônios em baixa não são nada que não possa ser disfarçado pela boa e velha maquiagem - uma pesquisa posterior revelou que nenhuma correlação pôde ser percebida quando as mulheres estavam maquiadas nas fotos. E não, não há nenhum resultado similar para os homens.

New Scientist

Perseguindo as ondas gravitacionais
Quando Einstein elaborou a teoria da relatividade, uma das coisas que previu foi a existência de ondas gravitacionais, ou seja, pertubaçoes do espaço-tempo causadas pela passagem de um corpo acelerado.

O problema é que a força gravitacional é muito pequena e estas pequenas pertubações são muito difíceis de medir num experimento controlado. Assim, muito embora certos fenômenos cosmológicos só possam ser explicados pelas ondas gravitacionais, elas permanecem sem confirmação empírica.

Mas isto pode mudar em breve. Cientistas da Universidade de Hanford, nos EUA, planejaram um experimento que, caso funcione, pode comprovar a existência das sutis ondas gravitacionais. Não que desta vez tenham pensado em algo mais elaborado, mas porque agora contam com um equipamento de U$ 350 milhões, chamado de Ligo.

A primeira tentativa de detectar as ondas gravitacionais aconteceu em 1960 e foi conduzida pelo físico Joseph Weber. Em seu experimento Weber suspendeu um bloco de 1 tonelada de alumínio em um compartimento fechado e aguardou que alguma onda gravitacional o fizesse se contrair e expandir. No entanto, durante o experimento houve tantos falsos alarmes que ele ficou desacreditado. Os cientistas estão confiantes que o mesmo não acontecerá com Ligo, que pode detectar mudanças de comprimento da ordem de 1/3000 do diâmetro de um próton.

A descoberta das ondas gravitacionais terá dois profundos impactos. O primeiro na cosmologia, onde ajudará os astrofísicos a desvelar os segredos da formação do universo. A segunda, na vida do feliz ganhador do bolão que corre entre os fisicos. Em agosto, a revista New Scientist perguntou qual a probabilidade de que as ondas gravitacionais fossem descobertas antes de 2010. A primeira estimativa foi de 500 para 1, mas caiu para 6 para 1 no mesmo dia que o renomado físico inglês Jim Hough, que lidera o time inglês que também tenta detectar as ondas, entrou no bolão com uma aposta de 25 libras. Atualmente não se aceitam mais apostas.

Guardian

Crianças não têm culpa...
...mas sofrem as conseqüências das crenças de seus pais. Alguns casos recentes, nos Estados Unidos, mostram isso de forma triste e revoltante.

Abubakar Tariq Audama era uma criança autista de cinco anos de idade. Morreu durante um tratamento com agentes quelantes, uma terapia alternativa baseada na idéia (não comprovada) de que o autismo é causado pelo acúmulo de metais pesados no sangue.

Eliza Jane Scovill tinha 3 anos de idade. Sua mãe, Christine Maggiore, é portadora do vírus HIV e famosa defensora do movimento que afirma que a AIDS não é causada pelo HIV. Por causa disso, Christine não se medicou durante a gravidez, nem permitiu que seus filhos fossem testados para o vírus. Como resultado, Eliza Jane morreu de pneumonia relacionada à AIDS.

Woyah Andressohn, um bebê de apenas seis meses, morreu de desnutrição porque seus pais levaram a filosofia vegetariana a um extremo, alimentando-o apenas com vegetais crus. A desnutrição da criança era tão grave que os paramédicos que a atenderam pensaram que era um recém-nascido.

E Katie Wernecke, uma menina de 13 anos com linfoma de Hodgkins (uma forma de câncer) foi retirada de seu tratamento por seus pais, que queriam levá-la para outro estado para receber injeções intra-venosas de vitamina C, uma terapia inútil. Como resultado, os pais perderam sua guarda, mas, depois de uma disputa judicial, receberam permissão para levá-la, ainda que somente após a conclusão da quimioterapia. Mesmo assim, por causa das interrupções no tratamento, Katie ficou com menos de 25% de chances de sobreviver. E, mais recentemente, um juiz devolveu a guarda total para os pais da Katie, permitindo que eles a retirem do tratamento imediatamente, o que significa que as chances de Katie caíram mais ainda.

Respectful Insolence 1, 2, 3, 4, 5

Ponto também para a Igreja Católica
No último boletim, comentamos a posição do Dalai Lama sobre a relação entre religião e ciência. Para nossa agradável surpresa, esta semana a Igreja Católica expressou uma opinião parecida, nas palavras do Cardeal Paul Poupard:

"...conhecemos os perigos de uma religião que rompe seus laços com a razão e torna-se presa do fundamentalismo. Os fiéis têm a obrigação de ouvir o que a ciência secular moderna tem a oferecer, assim como pedimos que o conhecimento da fé seja levado em consideração..."

Após alguns comentários infelizes do Cardeal Christoph Schoeborn, em julho deste ano, que desqualificavam uma afirmação do Papa João Paulo II de que a evolução era mais do que apenas uma hipótese, parecia que a teoria da evolução não era apoiada pela Igreja Católica. Agora, o Monsenhor Gianfranco Basti deixa claro:

"Uma hipótese pergunta se algo é verdadeiro ou falso. [A evolução] é mais do que uma hipótese, porque existem provas."

MSNBC

Rapidinhas
Fantasmas são mais populares
Segundo uma pesquisa inglesa, na Inglaterra mais pessoas acreditam em fantasmas que em Deus. Na pesquisa, 2012 pessoas foram entrevistadas; destas, 68% acreditavam em espíritos e fantasmas, enquanto 55% acreditavam em Deus. Vinte e seis porcento acreditavam em discos voadores e 4% acreditavam que o monstro de Loch Ness existe mesmo. A pesquisa foi feita durante o Halloween então é preciso uma certa ressalva com o resultado.

Os ratos também suspiram
Uma respiração profunda, ou suspiro, tem uma óbvia função fisiológica de aumentar a ventilação dos pulmões. Mas, para nós humanos, suspiros também estão relacionados a emoções como o medo, ansiedade ou alívio. Cientistas poloneses observaram, entretanto, que não somos os únicos - ratos também suspiram de alívio. Ou seja, quando você assistia desenhos animados e via Jerry suspirar após conseguir fugir do último plano maquiavélico de Tom, a cena estava cientificamente correta.

A maldição da outra múmia
Funciona mais ou menos assim: se um arqueólogo que esteve envolvido no exame de uma múmia morre, logo suspeita-se de que a morte foi obra de alguma maldição. Se mais de dois morrem, dá-se como certa a maldição. No caso da múmia de Oetzi, uma das mais velhas do mundo, encontrada congelada nos alpes italianos, já foram sete desta para outra melhor, desde sua descoberta em 1991. O último foi o arqueólogo Tom Loy, de 55 anos, que morreu este mês enquanto finalizava seu livro sobre a múmia. Provavelmente foi uma morte natural - embora os detalhes ainda não tenham sido divulgados - uma vez que Loy possuía um tipo de deficiência sanguínea. Aqui você pode conferir as outras vítimas da maldição. A maioria já bem velhinhos...

Não era frescura
As mulheres realmente sentem mais dor que o homem e há uma explicação perfeitamente natural para isso: elas têm mais terminações nervosas do que os homens, segundo uma recente pesquisa. Em média, as mulheres têm 34 fibras nervosas por centímetro quadrado na pele do rosto, enquanto os homens possuem apenas 17. Aparentemente, a rusticidade masculina tem uma mãozinha da natureza...

Bush acredita ou não na evolução?
Depois de manifestar seu apoio ao ensino do Design Inteligente, o parece-que-não-é-mas-é-criacionismo, Bush agora pediu 7 bilhões de dólares ao congresso americano para preparar os EUA no caso de uma epidemia de gripe do frango. Ora, como até agora todos os casos relatados foram transmitidos das aves para os homens, para que o medo do presidente americano se concretize é preciso que o vírus da gripe sofra uma mutação e evolua, passando a trasmitir-se entre os seres humanos. E então, "Mr. Bush mudou de opinião sobre a evolução?", pergunta Bob Park em seu site "What's New".

SkepticWiki: A Wikipedia cética
A Wikipedia é uma enciclopédia galáctica, gratuita e construída livremente pelos seus próprios leitores. Recentemente, a Wikipedia ganhou uma seção sobre ciência e pensamento crítico, a SkepticWiki, com os mais variados temas: aliens, medicina alternativa, pseudociência, fraudes, etc. Agora ela aguarda a sua contribuição.

Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem