Projeto Ockham

N° 3 • 20 Mar 05

Atualização do Projeto Ockham
Depois de um longo e tenebroso inverno o Projeto Ockham foi finalmente atualizado :-))

O artigo "O Homem não foi à Lua?" desmistifica as teorias conspiratórias que afirmam que a ida do homem à Lua foi uma farsa montada pela NASA para vencer a corrida espacial. Para isso examina, um a um, os principais argumentos dos conspiracionistas da Lua.

Fontes seguras garantem que novos artigos já estão a caminho.

: Projeto Ockham

Bullshit!
Não, o Projeto Ockham não está defendendo o uso de palavras de baixo calão (ainda que em outra língua). "Bullshit!" é o nome de uma das mais radicais séries de TV dos últimos anos, apresentada pelos mágicos americanos Penn e Teller, uma dupla com mais de 25 anos de estrada.

Em "Bullshit!", Penn e Teller direcionam sua experiência em enganar o público e seu humor ácido contra a incrível diversidade de mitos e fraudes difundidos em nossa sociedade. Sem medir palavras (como o nome da série já deixa claro), Penn e Teller abordam vários temas clássicos, como abduções alienígenas e criacionismo, e outros inesperados, como a reciclagem e a guerra contra as drogas.

Você forra o vaso sanitário com papel higiênico antes de usar um banheiro público? Então assista o episódio "Safety Histeria" e veja Penn e Teller conduzirem voluntários para testes microbiológicos que mostram que você entra em contato com uma quantidade maior de microorganismos ao apertar a mão de um estranho do que ao sentar em um vaso estranho. Você toca música clássica para seu bebê, buscando estimular sua inteligência? Então assista "Baby Bullshit". E por aí vai...

Não é a toa que "Bullshit!" foi indicada ao prêmio Emmy em 2004 (apesar de que, aparentemente por falta de uma categoria mais adequada, "Bullshit!" foi indicada na categoria de "reality shows"...). A música tema da série também foi indicada, esta na categoria certa. Misturando seriedade (com entrevistas a especialistas nas áreas abordadas) com humor e ironia (e muitos insultos – segundo Penn, chamar alguém de fraude pode levar a um processo na justiça, mas xinga-lo não apresenta esse risco), "Bullshit!" é um raro exemplo de entretenimento com conteúdo.

Infelizmente, "Bullshit!" ainda não está disponível no Brasil. As duas primeiras temporadas podem ser importadas em DVD (por exemplo, na Amazon) ou encontradas na Internet em redes P2P (Kazaa, edonkey, etc). Para a lista de episódios veja o site da série (que incompreensivelmente é bloqueado pela emissora, para visitantes de fora dos EUA – a solução é usar um proxy, como o http://free.shadowbrowser.com). E para saber mais sobre Penn e Teller, veja seu site oficial.

Alguns japoneses são mais criativos que os outros
Uma recente feira da indústria de beleza e saúde no Japão foi o palco de lançamento de uma série de produtos absolutamente espetaculares. Vejamos:

Um chiclete capaz de enrijecer e aumentar os seios. Segundo os "cientistas"(?!) da empresa fabricante, o chiclete deve ser mascado três ou quatro vezes ao dia e ainda "combate o envelhecimento, melhora a circulação e reduz o estresse." Não sabemos dos planos da empresa, mas a seqüência natural seria o lançamento da versão do chiclete para homens, que aumentaria uma parte óbvia da anatomia masculina. Os fabricantes do Viagra que se cuidem.

Uma barra de cereal com rochas vulcânicas como um dos ingredientes, supostamente para ajudar a limpar o intestino. Como rochas vulcânicas são extremamente comuns no Japão, essa é uma jogada de mestre – convencer os otários, digo, consumidores a pagar para comer pedras moídas, encontradas em qualquer esquina.

Uma barraca inflável que aumenta a beleza das pessoas que ficam em seu interior....Essa dispensa comentários. Apenas nos resta tentar adivinhar com que gás essa barraca é inflada.

Folha Online

Morre Cesar Lattes
No último dia 8, o Brasil perdeu um de seus maiores cientistas. Cesare Mansueto Giulio Lattes foi o físico de maior destaque em nossa história e provavelmente o cientista brasileiro que chegou mais perto de ganhar um prêmio Nobel.

Em 1947, com 23 anos, Lattes foi para a Inglaterra fazer parte da equipe de Cecil Powell, um cientista da Universidade de Bristol que estudava partículas subatômicas produzidas pelas colisões entre raios cósmicos e nossa atmosfera. Analisando as impressões deixadas por estas partículas em filmes fotográficos especiais, Lattes e seus colegas descobriram uma partícula que havia sido prevista teoricamente em 1935 – o méson pi. Com isso, o nome de Lattes foi gravado permanentemente na história da física.

A reputação conquistada por Lattes permitiu a criação do CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas), no Rio de Janeiro, e incentivou a criação de uma estrutura nacional de apoio à pesquisa, hoje administrada pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Não é por coincidência que o banco de dados com os currículos de todos os cientistas brasileiros, mantido pelo CNPq, é chamado de Plataforma Lattes.

A carreira de Cesar Lattes foi encerrada por uma parada cardíaca no Hospital das Clínicas da Unicamp, mas seu legado ainda marcará a ciência brasileira por muito tempo.

Folha Online

Abobrinhas ao espaço
Como se não bastasse a enorme quantidade de ondas de rádio, oriundas de nossos meios de comunicação, que naturalmente ultrapassam a nossa atmosfera e seguem espaço adentro, os humanos agora dispõem de mais uma forma para inundar o espaço sideral com o melhor e o pior da nossa cultura.

Desde fevereiro, por uma módica taxa de 4 dólares por minuto, uma empresa americana (talktoaliens.com) oferece uma ligação telefônica para o resto da galáxia. Basta discar para a central da companhia e pronto – o que você falar será retransmitido ao espaço por uma antena situada na região central dos Estados Unidos. O que a empresa não garante, é claro, é que sua ligação seja atendida. Ainda mais que, segundo os cálculos de um professor da Rutgers University, essa transmissão só poderá ser recebida com clareza até dois anos-luz de distância da Terra (metade da distância à estrela mais próxima – Proxima Centauri, a 4,2 anos-luz da Terra).

Mas isso não deve impedir os...hã...excêntricos dispostos a pagar aproximadamente 10 reais por minuto para discursar para o vácuo do espaço. Segundo a empresa, já foram realizadas centenas de ligações, com três minutos de duração em média. O sucesso foi tanto que a empresa já estuda uma maneira de ampliar o serviço e permitir o envio de emais, fotos e vídeos para o espaço. Depois disso devem vir os Blogs e aí só poderemos torcer para que eventuais ETs não desistam de entrar em contato conosco...

New Scientist

Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem