Projeto Ockham
vidro Os vitrais de catedrais antigas são mais grossos na parte inferior porque o vidro é um líquido que escoa lentamente

por Alexandre Taschetto de Castro mail
em 17/04/05

Esse é mais um mito que circula não só entre o público leigo, mas também no meio científico. O vidro seria capaz de fluir apenas pela ação do próprio peso, ainda que muito lentamente, e a prova disso seria a existência de painéis de vidro em antigas catedrais européias onde a espessura do vidro na parte inferior é nitidamente maior que na parte superior.

A idéia parece ter um embasamento científico, uma vez que o vidro é comumente descrito como um líquido super-resfriado, sendo sua estrutura semelhante à estrutura desordenada de um líquido, mas sem o movimento molecular característico da fase líquida (como se as moléculas do líquido tivessem seu movimento "congelado"). Sólidos com estruturas desordenadas como a do vidro são chamados de amorfos (e, às vezes, de vítreos), em contraste com os sólidos cristalinos, que têm seus átomos dispostos em uma estrutura ordenada e repetitiva. Alguns materiais podem mudar de uma estrutura cristalina para amorfa e vice-versa, de acordo com a temperatura, e este fenômeno está por trás da criação do CD regravável.

Mas ainda que esta semelhança exista, o vidro é um sólido a temperatura ambiente. A temperatura a partir da qual o vidro começa a fluir, a chamada "temperatura de transição vítrea", é de 550°C para o vidro comum. A medição desta temperatura é afetada por quanto tempo estamos dispostos a esperar o material fluir. Se esperarmos tempos maiores, conseguiremos observar o vidro fluir a temperaturas mais baixas. Mas mesmo para tempos "infinitamente" longos, onde obviamente não é possível obter esta temperatura através de experiências no laboratório, calcula-se que esse valor caia para perto de 300°C, ainda bem acima da temperatura sob a qual os painéis de vidro das catedrais são mantidos.

Há alguns anos, o professor Edgar Zanotto, da Universidade Federal de São Carlos, resolveu fazer os cálculos necessários para acabar com a discussão de uma vez por todas. Ele concluiu que a 450°C, por exemplo, realmente seria possível notar um escoamento do vidro após "apenas" 800 anos. Mas à temperatura ambiente, teríamos que esperar um tempo maior que a idade do universo para que o vidro de nossas janelas escorresse o suficiente para vermos uma diferença entre a parte superior e a parte inferior.

Então por que os vidros das catedrais antigas são mais grossos na parte inferior? Na verdade, isto não é uma regra geral. Também são encontradas janelas antigas onde a parte mais grossa está na lateral ou no lado de cima. O problema é que os métodos antigos de fabricação de chapas de vidro não conseguiam produzir chapas perfeitamente planas e de espessura uniforme. Sempre ocorriam variações na espessura, além de outros defeitos (como ondulações na superfície), e isto foi resolvido de forma definitiva apenas em 1959, quando Alistair Pilkington inventou o método de fabricação de placas de vidro por flotação. E se você estivesse instalando um painel de vidro com um lado mais espesso que outro, qual lado você colocaria para baixo?

vaso romanoExistem outras pistas que já indicariam que esta idéia é um mito, mesmo sem os dados técnicos apresentados pelo Prof. Zanotto. Há séculos, astrônomos usam lentes de vidro em seus telescópios, onde qualquer variação mínima na geometria causaria uma distorção na imagem obtida. Se o vidro realmente se deformasse, veríamos astrônomos jogando suas lentes fora periodicamente. E os artefatos de vidro mais antigos conhecidos - pequenas contas - datam de aproximadamente 3500 anos atrás, com vasos de vidros sendo fabricados bem antes de 1000 a.C. Se janelas de igrejas com mil anos de idade já mostrassem efeitos do escoamento do vidro, estes objetos antigos estariam totalmente disformes. Veja, por exemplo, o vaso romano ao lado, datado do final do século I. Ele lhe parece deformado?

Voltar à lista de Mitos
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem